Skip to content


O futuro do Serpro

O Relatório Reservado é um veículo de Comunicação da mais alta conta entre o empresariado, seu assinante. Se escreveu o que escreveu, podem ter certeza, o caminho deve ser por aí.

Isso afasta o fantasma da privatização ou da extinção defendidos por Salim Mattar, o secretário das Privatizações. Mas nada é certo no momento, vindo de um governo que bate cabeça todos os dias pelo “ZapZap”.

Porém essa informação dá uma vaga ideia do que pode vir por aí. Os sinais emitidos são claros:

1- A Dataprev, ao que parece, não conta, pois nunca há notícias envolvendo positivamente o seu nome. Fica sempre a impressão de que sofrerá a fusão com o Serpro.

2 –  Há uma nítida queda de braços entre Salim Mattar (Privatizações) e Paulo Uebel (Governo Digital). Quem vai levar essa disputa? Não faço a menor ideia, não sou da cozinha desses birutas, comandados pelo biruta-chefe, Paulo Guedes, aquele que sempre defendeu menos intervenção estatal, mas…

3 – Vender ativos hoje em dia é bobagem. O dinheiro é pouco, o interesse é menor ainda. Os contratos com o governo não suprem tanto assim as necessidades das empresas compradoras, porque dão trabalho perante os organismos de controle e um governo volátil sempre pode cancelar  serviços de uma hora para outra, em nome de um “ajuste fiscal”.

4 –  Minha percepção dessa disputa, aliada com as poucas informações que disponho, são de que está por vir uma nova estatal, enxuta, mas com o foco voltado na garimpagem de informações dos diversos bancos de dados federais. E esse projeto deverá ser feito mediante parcerias com as gigantes norte-americanas do setor (Google, Facebook, Amazon, Microsoft; etc).

5 – Ao mesmo tempo em que se garimpam dados, novos aplicativos serão desenvolvidos para melhorar os serviços prestados ao cidadão. Lucra o governo, que passa a andar em maior sintonia com o brasileiro, lucra a estatal que participa do projeto como mera facilitadora de informações e se livra da extinção ou da venda.

6 – E, em paralelo, lucram aqueles que terão acesso aos bancos de dados até então tratados como “estratégicos e sigilosos”, que poderão usar essa base de informações para futuras ações comerciais desenvolvidas a partir da Inteligência Artificial aplicada na navegação na Internet.

* Leiam a informação do Relatório Reservado. É estimulante o debate sobre o que o futuro nos reserva. (clique na imagem para ela ampliar).

Publicado em Coluna Capital Digital, Informática, Política.


Web Analytics